16/03/06

França 0 - Brasil 1

Ignacio Ramonet, director do insuspeito jornal francês Le Monde Diplomatique, disse ontem num debate em Lisboa que a publicação dos cartoons de Maomé "resultou de um acto irresponsável, levado a cabo em nome da liberdade de expressão. Mas este é um direito que não autoriza tudo".
Luis Fernando Verissimo, jornalista e escritor brasileiro, diz hoje numa entrevista à revista Sábado que "o humor é a arte do exagero. O humorista tem a licença tácita para tomar liberdades, como se diz, que outros não têm."
É por estas e por outras que prefiro as caipirinhas ao champanhe.

3 comentários:

Dirceu disse...

Marta, concordo inteiramente contigo.

João Silva disse...

Por falar em Luis Fernando Verissimo...leiam o humor deste senhor! eu já li e gostei.
sugestão: "As mentiras que os homens contam" - publicações DOM QUIXOTE.
Uma verdadeira caricatura escrita do comportamento Masculino.

ccc disse...

Mais uma vez se prova que não podemos estar de bem com Deus (seja Ele qual for), nem com o Diabo (também seja Ele qual for), ao mesmo tempo! Já todos sabemos que o politicamente correcto, não se aplica na maior parte dos casos!E se queremos ser honestos, temos mesmo que tomar partido. No dia em que a liberdade de expressão, deixar de ter significado, estamos lixados!!! Estou solidária com a publicação dos cartoons!